Um engenheiro que teve a caminhonete arrastada pela força da água e da lama, após o rompimento de um tubulação da barragem de Jati, interior do Ceará, lembrou os momentos de pânico durante o vazamento, ocorrido sexta-feira (21). Ninguém ficou ferido.
"Foi tudo muito rápido. Entre o tempo que cheguei na caminhonete e o momento que o material começou a entrar no pátio foi cerca de 10 segundos", lembrou o engenheiro Ivanildo Araújo.

O incidente na barragem de Jati aconteceu quando parte da tubulação que recebe água do açude rompeu e começou a escavar estrutura pedregosa próxima à parede. A obra onde ocorreu o vazamento faz parte do Eixo Norte da transposição do Rio São Francisco, que foi inaugurado no dia 26 de junho pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O engenheiro precisou abandonar caminhonete que estava, modelo Nissan Frontier, e entrar no carro de outro funcionário para fugir do local rapidamente. Ele correu para outro veículo em que os colegas já estavam em condição de fuga.

"No momento da ocorrência, fomos pegar os veículos e, quando tentei sair, outro carro atrapalhou. O carro estancou . Quando percebi já estava sendo carregado para o pátio. Foi tudo muito rápido. Eu saí correndo a pé e deixei tudo para trás. Outro colega estava esperando eu chegar no portão, aí entrei no carro e conseguimos sair", destacou o funcionário. 

   G1 

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib