Quarentena se mantém no Ceará para prevenir o novo coronavírus, a Covid-19
Quarentena se mantém no Ceará para prevenir o novo coronavírus, a Covid-19
Com mais de 40 dias desde o primeiro caso de coronavírus e após superar a marca de 400 mortes, não se tem uma completa visão da capacidade total de leitos, comuns e de terapia intensiva (UTI), disponíveis para tratar pacientes com a Covid-19 no Ceará. Apesar de ser um dos estados brasileiros com maior transparência durante a pandemia, o Estado segue anunciando abertura de leitos sem precisar quantos já estão disponíveis e ocupados com regularidade. A situação é parecida para a rede particular.

Em Fortaleza, o Hospital Regional da Unimed (HRU) tem 111 pacientes internados, entre suspeitos e confirmados para Covid-19. Somado com as demais unidades de saúde da rede credenciada, são 223 pacientes. No sábado, 25, foram internados 13 pacientes em UTI, sendo 11 com demanda por ventilação mecânica. “Os números apontam que a situação é ainda muito preocupante e que é preciso que seja mantido o isolamento social. Segundo previsões feitas pela cooperativa, com base em estudos estatísticos, ainda não atingimos o pico da doença, que deve chegar na segunda quinzena de maio”, afirma em nota ao O POVO.

Para atender à procura, foi construído um hospital de campanha no estacionamento do HRU. O local tem 44 leitos, já equipados com oxigênio, para uso exclusivo de pacientes em tratamento para Covid-19. Assim, o Hospital conta com 60 leitos de UTI adulto e 75 leitos em unidades abertas (enfermaria ou apartamento) para o tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus. Atualmente, 55% das internações no HRU são para tratamento da Covid-19 e 45% para outras enfermidades. Contudo, a rede tem direcionado para unidades credenciadas à operadora atendimentos de pediatria e obstetrícia, além de alguns procedimentos oncológicos; por isso, o percentual de internações por Covid-19 no hospital tende a aumentar em comparação a outras doenças.

Já o plano de saúde Hapvida tem em todo o Estado, de acordo com boletim atualizado na segunda-feira, 27, 94 pacientes internados, entre enfermarias e UTIs, com suspeita ou confirmação da Covid-19. Desde o início da epidemia no Ceará, a rede atendeu 2.917 pacientes do novo coronavírus, sendo que 1.646 tiveram exame negativo, 1.065 foram confirmados e outros 206 seguem em investigação. Comunicado enviado ao O POVO indica que, em todo o País, a operadora tem mais de 6 milhões de beneficiários e ”boas condições para atender demandas de pacientes infectados pelo novo coronavírus”. “Houve um aumento no total de leitos, que representa 2.635. Desses, o número de leitos de UTI subiu de 555 para 671”, informa. Entretanto, não precisa as informações regionais.

No Estado, segundo a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), beneficiários da rede privada de saúde têm a sua disposição 146 leitos de terapia intensiva dedicados à doença, considerando leitos novos de UTI criados para atenção exclusiva a pacientes com Covid-19 e aqueles já existentes que foram convertidos. Antes da epidemia pelo novo coronavírus, o Estado contava com 472 leitos de UTI na rede privada. Dos mais de 9 milhões de cearenses, 1.262.923 são beneficiários de planos de assistência médica, de acordo com dados de fevereiro da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).
Já na rede pública, o Ceará dispunha de 398 leitos de UTI voltados para o combate ao Sars-CoV-2 até a última sexta-feira, 24. A ocupação, na Capital e no Interior, era de 74,42%. Outros 455 leitos de UTI devem ser criados, conforme a aquisição de equipamentos e disponibilidade de profissionais. No domingo, um avião da Ethiopian Airlines chegou em Fortaleza com 90 toneladas de testes para detecção da Covid-19 e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde suficientes para três meses.


o povo
Postagem Anterior Próxima Postagem