Camilo briga por vaga de senador e articula chega para lá em Tasso


Governador do Ceará, Camilo Santana
Quem apostou na passividade do governador Camilo Santana sobre a sua sucessão, errou feio. Os movimentos de Camilo nos últimos 15 dias demonstram que o governador não deseja permanecer até o final de seu mandato no Abolição. Sem dizer uma única palavra, avisou aos irmãos Ferreira Gomes que a vaga de senador aberta com o término do mandato de Tasso Jereissati é dele. Nade de ceder o lugar para o tucano concorrer novamente em união com os FGs.

Essa posição foi exposta em atitudes políticas como sua visita ao ex-presidente Lula, na quinta-feira passada (25), em Curitiba. No encontro, a pauta foi cenários eleitorais. Lula gosta da ideia de lançar Camilo ao Planalto. A sugestão foi escutada pelo governador cearense dentro da cadeia, ao lado do senador petista Jacques Wagner. Camilo não se posicionou contra, porém não falou que topava ser candidato de Lula e do PT contra Bolsonaro.



Outro gesto do governador Camilo Santana aconteceu na sex-feira (26). Recebeu no Abolição o maior líder da oposição no Ceará, o deputado federal Capitão Wagner (PROS). Eles trocaram gentilezas e perspectivas de novas reuniões.

No sábado, Camilo não compareceu a um ao lado do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, que anunciava obras. Enviou a primeira-dama, Onélia Santana.



Todas as atitudes do governador Camilo revelam que sua disposição é manter a unidade com os FGs, mas quer ser respeitado.


Ceará News 7