Advertisement

Main Ad

Saúde reduz para cinco dias tempo de isolamento de assintomáticos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga

SERGIO LIMA/AFP - 05.01.2022


O Ministério da Saúde reduziu, nesta segunda-feira (10), o período de isolamento das pessoas que são diagnosticadas com a Covid-19. De acordo com a nova orientação da pasta, quem contrair a doença, estiver assintomático e tiver diagnóstico negativo para a enfermidade após cinco dias da infecção pode ser liberado da quarentena.

As pessoas que estiverem sem sintomas após os cinco dias, mas que continuarem testando positivo para o novo coronavírus terão de permanecer isoladas até 10 dias depois da infecção para serem liberadas.

Segundo o ministério, a pessoa que contraiu a doença que não quiser ou não conseguir fazer o teste após cinco dias do diagnóstico positivo pode sair do isolamento no sétimo dia depois da infecção, desde que não apresente nenhum tipo de sintoma característico da doença.

Para as pessoas que ainda estiverem com sintomas após sete dias do diagnóstico da Covid-19, o Ministério da Saúde recomenda a testagem para saber se a infecção permanece e a manutenção da quarentena até que o quadro da doença complete dez dias. Após o período, qualquer pessoa sem sintomas estará liberada da quarentena.

Mesmo com o quadro assintomático, o Ministério da Saúde pede que as pessoas nessa situação respeitem algumas medidas de segurança, como manter as mãos limpas, usar máscara em ambientes públicos e fechados e evitar a presença em aglomerações.

"As recomendações são as mesmas. O cuidado é individual e o benefício é de todos. Vamos trabalhar para sair dessa questão da terceira onda de maneira menos impactante sobre a vida das pessoas", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Segundo ele, em virtude da presença da variante Ômicron no Brasil, que é mais transmissível, a atenção às medidas de proteção pessoal são ainda mais importantes.

"Já que janeiro é um mês de férias, quero pedir às pessoas que procurem evitar grandes aglomerações em casa. Assistimos no ano passado um aumento de casos em janeiro e, neste ano, temos a Ômicron. É necessário uma certa cautela. Quem vai fazer festa em casa, que faça isso com bastante responsabilidade para evitar um aumento ainda maior dos casos", salientou Queiroga.

 A sugestão do ministério acompanha a atualização do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos, que reduziu de dez dias para cinco dias o tempo recomendado de isolamento para assintomáticos, desde que prossigam com o uso de máscara e testem negativo para a doença. No caso dos sintomáticos, a recomendação é reduzir a quarentena de catorze para sete dias.

A medida começou a ser debatida com mais profundidade depois que hospitais e centros médicos brasileiros implementaram redução das quarentenas, permitindo o retorno antecipado de profissionais de saúde aos postos de trabalho. Na semana passada, a prefeitura do Rio de Janeiro publicou uma resolução reduzindo de duas semanas para cinco dias o período mínimo de isolamento recomendado.

                                  R7

Postar um comentário

0 Comentários