Advertisement

Main Ad

Consternação em Várzea Alegre : Morre Tibúrcio Bezerra, ex-vice prefeito


 O município de Várzea Alegre perde mais um filho, faleceu na tarde desta terça-feira, 25, o ex-vice prefeito da cidade, Tibúrcio Bezerra de Morais Neto, aos 78 anos.

As primeiras informações, não oficiais, apontam que Tibúrcio faleceu em Fortaleza, vítima de uma doença relacionada ao pulmão. Nas redes sociais amigos lamentam a partida de Tibúrcio.

O prefeito Zé Helder, que foi parceiro de Tibúrcio na política deixou mensagem de pesar.

“Recebi com imenso sentimento de pesar a notícia do falecimento de Tibúrcio Bezerra, ocorrido nesta tarde de terça-feira, 25 de janeiro, em Fortaleza. Formamos parceria com Tibúrcio Bezerra na política, tendo ele sido nosso vice-prefeito durante dois mandatos à frente da Prefeitura de Várzea Alegre – 2005 a 2008 e 2009 a 2012. Perdemos um idealista, um pensador, um crítico do atraso, um homem de valores culturais imensuráveis, um ser humano profundamente apaixonado por sua terra. Cultivaremos tuas ideias e sua história será lembrada cada vez que a nossa bandeira balançar nos atos cívicos, sociais e populares de nossa terra. Meus sentimentos a todos os familiares e amigos. Descanse em paz, Tibúrcio Bezerra”, disse.

Quem foi Tibúrcio Bezerra

Nasceu no dia 14 de maio de 1943, a rua major Joaquim Alves, nº 36, na casa onde funciona hoje o Conselho Tutelar.

Filho de José Bezerra de Morais, (Cazuza) e Vicência Primo de Morais. Foi alfabetizado em casa mesmo sob orientação do avô e das tias maternas. Ingressou em seguida na escola Santa Inez, da professora Eliza Gomes Correia, aquela que era autodidata, paraplégica e usava palmatória. Ali permaneceu até concluir o 4º ano primário, matriculando-se em 1956, no Grupo Escolar de Várzea Alegre, concluindo ali no mesmo ano, o curso de Admissão ao Ginásio.

Em 02 de fevereiro de 1957, pelas mãos do Pe. José Otávio, de quem fora “coroinha”, ingressou no Seminário S. José, de Crato, movido pelo desejo de tornar-se padre.

Desistiu, cinco anos depois, ao descobrir que Deus lhe apontava outro destino. No seminário foi um aluno que aliava comportamento e aproveitamento em escala elogiável.

Aluno, atleta, ator, orador, cantor do coral, participava ativamente de quase todas as atividades ditadas pelo Regulamento da casa.

Ao deixar o Seminário, no início de 1962, retornou a Várzea Alegre permanecendo no seio da família e se adaptando à nova condição de leigo.

Com o resultado das eleições de 1962, foi convidado pelo Prefeito eleito Josué Alves Diniz para trabalhar na Prefeitura. Na oportunidade, foi contemplado pelo governo do estado com uma bolsa de estudo para representar o Município de Várzea Alegre em curso intensivo de Contabilidade Pública e Administração Municipal. Havia carência de técnicas na área. O curso durou todo o ano de 1963.

Em 1964 assumiu a assessoria contábil da Prefeitura e uma cadeira de Português, no ginásio São Raimundo Nonato.

Em 1966, sem deixar de assessorar a Prefeitura e depois de uma maratona interminável de viagens de ida e volta a Fortaleza, concluiu o Curso colegial no Liceu do Ceará. Prestando vestibular no final do mesmo ano, logrou aprovação e iniciou o Curso de Direito pela Universidade Federal, em fevereiro de 1967. No mesmo ano abriu escritório em Fortaleza e passou a assessorar, também, os Municípios de Lavras da Mangabeira, Granjeiro e Icó.

O negócio logo se expandiu ante a carência de profissionais habilitados na época. O tempo tornou-se escasso diante de tantas tarefas. Outros clientes iam chegando, até que o trancamento da matricula tornou-se inevitável. Naquela época era preciso viajar muito para atender aos compromissos profissionais. Ao longo desse tempo e à falta de advogados, foi chamado por juízes das comarcas de Lavras e Várzea Alegre para participar de júris, ora como promotor, ora como defensor de réus pobres, tarefas em que saiu-se airosamente.

Como universitário participou dos movimentos que instituíram o Dia do Município, a 1ª Semana Universitária, o Jornal “O Novo Tempo”, a bandeira e o hino do município.

Como profissional atuou em mais de 50 municípios, com destaque para Várzea Alegre, Lavras, Cedro, Granjeiro, Farias brito, Icó, Jaguaribe, Crato, Juazeiro, Cariús, Jucás, Iguatu, Caucaia, Aquiraz, Quixeramobim, Tauá, Aracati, Acaraú, Morada Nova e Sta. Quitéria.

Casou-se em 22 de dezembro de 1969 com Maria Amélia Macêdo de Morais, bioquímica com laboratório instalado na cidade de Várzea Alegre. Tem duas filhas e cinco netos.

Como um varzealegrense que sempre demonstrou desprendimento, generosidade e patriotismo, dedicou sempre muita atenção à causa pública. Sócio fundador do Lions Club, é maçon e político, foi Vice-Prefeito de Várzea Alegre, ao lado do prefeito Zé Helder, por dois mandatos [2005 a 2008 e 2009 a 2012].

Torna-se, às vezes, incompreendido, pela independência das ideias e pela intransigência como defende a verdade. Principal mentor na criação da Secretaria Municipal de Cultura, entende que o segredo do desenvolvimento reside na educação de qualidade em todos os níveis. O que mais o orgulha é o fato de ocupar a cadeira nº 1 da Academia Varzealegrense de Letras, cujo patrono é o saudoso Pe. Antônio Batista Vieira.

                                                Várzea Alegre Agora 

Postar um comentário

0 Comentários