Menino de 8 anos escreve carta a juíza de Quixeramobim pedindo para trocar sobrenome e magistrada responde - Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

O Blog mais completo do interior do Ceará com compromisso com a notícia.

Post Top Ad

ANUNCIE AQUI

28/05/2021

Menino de 8 anos escreve carta a juíza de Quixeramobim pedindo para trocar sobrenome e magistrada responde

 


Um fato um tanto quanto inusitado, mas também de mexer com a sensibilidade humana, foi registrado pela produção do Programa SerTão Conta Mais, da SerTão TV e Rádio Campo Maior AM 840, nesta quarta-feira, 26.

Com apenas 8 anos, um menino que mora na comunidade de Rancho, na zona rural de Quixeramobim, escreveu uma carta e endereçou ao programa pedindo que chegasse ao conhecimento da juíza do município, Kathleen Nicola Kilian. No texto, escrito a lápis, ele faz um pedido à juíza: poder trocar um de seus sobrenomes pelo do seu padrasto: “Senhora juíza, queria pedir encarecidamente que a senhora troque meu nome. Meu nome é (…) de Sousa. E quero tirar o sobrenome Sousa. É o sobrenome do meu pai biológico".

A mãe do menino revelou que seu atual companheiro compartilha da criação do filho desde os 3 anos de idade e sua relação com ele, apesar de não ser biológico, se assemelha a de um pai, gesto revelado pelo garoto na carta.

“Gostaria muito de usar o sobrenome do meu verdadeiro pai, e ele sim é um pai de verdade pra mim. Esteve nos momentos bons e ruins”, escreveu.

Sua mãe garante que a admiração pela juíza teria iniciado quando ela foi entrevistada pela SerTão TV e Rádio Campo Maior sobre a ação de doação de cestas básicas a famílias carentes em uma campanha coordenada pela Justiça local. Ele mesmo expressou nas linhas, como segue: “Estou te pedindo porque vi no celular a senhora distribuindo cestas básicas para famílias carentes e isto é um verdadeiro ato de amor ao próximo".

Em resposta, a juíza se mostrou extremamente emocionada e surpresa com a atitude do garoto: “Que alegria ser motivo de sua lembrança e receber seu carinho por meio dessa carta”, disse ela em um trecho de uma carta que escreveu em resposta ao garoto. Acompanhe na íntegra:
Apesar do pedido, para a lei, é possível a inclusão do sobrenome do padrasto. Mas o caminho a ser seguido é inicialmente buscar a Defensoria Pública para iniciar o processo e ser julgado o pedido.

O gesto do pequeno e a resposta da juíza chamaram a atenção dos internautas. Fofo, né?!

Repórter Ceará (Foto: Fábio Rogério/Jornal Cruzeiro do Sul/Ilustrativa)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Post Bottom Ad

Pages