Covas contradiz Pazuello e vê ações do governo afetarem CoronaVac - Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

O Blog mais completo do interior do Ceará com compromisso com a notícia.

Post Top Ad

ANUNCIE AQUI

27/05/2021

Covas contradiz Pazuello e vê ações do governo afetarem CoronaVac

 

O diretor do Instituto Butatan, Dimas Covas

O diretor do Instituto Butatan, Dimas Covas

EVARISTO SÁ/AFP - 27.05.2021

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, falou nesta quinta-feira (27), à CPI da Covid, no Senado. Por cerca de seis horas ele abordou diferentes questões sobre a pandemia, contradisse afirmações do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e disse que ações e falas do presidente Jair Bolsonaro afetaram as negociações para a compra da CoronaVac pelo governo e o envio de matéria-prima pela China.

Covas apontou a falta de uma coordenação nacional para medidas não farmacológicas, como o uso de máscaras ou a prática do isolamento social, como um dos motivos para o avanço da pandemia.

O diretor também fez previsões. Entre elas está a possibilidade de um recrudescimento nas próximas semanas, a necessidade de reforços anuais na vacinação e a estimativa de entrega de 40 milhões de doses da ButanVac, a nova vacina desenvolvida pelo instituto, ainda em 2021.

CoronaVac

Covas avaliou que o Brasil poderia ter sido o primeiro país do mundo a iniciar a vacinação e que em julho o Instituto Butantan enviou ao Ministério da Saúde uma sugestão de contrato para a entrega de 60 milhões de doses até dezembro do ano passado. A oferta não teve resposta, segundo o diretor do Butantan.


À época, a vacina ainda não tinha o uso aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o que só ocorreria em janeiro. No entanto, as intenções de compra já eram negociadas com o Butantan e outros laboratórios, como a Pfizer e a AstraZeneca - sendo esta última a primeira a única a ter contrato fechado com o governo brasileiro naquele momento. 

As negociações para a compra da CoronaVac pelo governo federal para distribuição para todo o país foram retomadas posteriormente, e, em outubro, o instituto ofertou 100 milhões de doses a serem entregues até maio. Segundo Covas, o governo oficializou a intenção de compra no dia 19 de outubro e, no dia 20, tudo foi suspenso após o presidente Jair Bolsonaro afirmar que não compraria vacina chinesa. Ainda naquela oportunidade, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse em vídeo publicado nas redes sociais: "um manda, outro obedece". 

"Infelizmente, essas conversações não prosseguiram, porque houve, sim, aí, uma manifestação do presidente da República, naquele momento, dizendo que a vacina não seria, de fato, incorporada, não haveria o progresso desse processo", afirmou Dimas à CPI.

As afirmações contradizem a fala de Pazuello à CPI, de que não houve ingerência para a não contratação da vacina do Butantan.  O contrato acabou fechado apenas em janeiro de 2021, com uma dose menor que a prevista inicialmente - 46 milhões.

Covas afirmou ainda que as ações do governo e falas contra a China, como a afirmação do presidente em alusão a suposta guerra biológica promovida pelo país, prejudicam o envio de matéria-prima para a produção de vacinas pelo Butantan.  

"Temos cem vizinhos. Noventa e nove são cordiais, nos tratam bem, vão na nossa casa sempre com grande prazer, nos convidam para ir na casa deles. Um vizinho é o mal-comportado. Aquele que sempre tem uma observação a fazer. Na festa de fim de ano vamos chamar aquele vizinho ou os outros?", afirmou.

A dificultade para obter o IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) tem sido motivo de paralisações na produção. Neste mês de maio, o instituto ficou sem produzir doses da Coronavac entre os dias 14 e esta quinta-feira (27), quando os trabalhos foram retomados após chegada de nova remessa.

                   R7 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Post Bottom Ad

Pages