Espedito Seleiro é convidado a desenhar novo uniforme do Fortaleza

 





                      


O artista caririense Espedito Seleiro, conhecido pelas suas peças em couro com personalização única, foi convidado para desenhar o novo uniforme do Fortaleza. O time pretende estrear o novo “look” na estreia da temporada 2021, a partida diante do CRB-AL, na próxima quarta-feira (3), pela Copa do Nordeste na Arena Castelão. O traje, chamado de “Luar e Sertão”, ganhou traços das mãos do mestre que ganhou notoriedade nacional e internacional pela produção de diversos produtos em couro.

Na noite da última segunda-feira (1º), o Tricolor divulgou o autor da camisa e gerou expectativa nos torcedores. Mas, afinal, como o clube convenceu – e achou espaço na agenda – o Mestre da Cultura do Estado a participar do processo de criação do novo uniforme? Gerente de projetos e responsável pelo design dos uniformes do Leão, Bruno Bayma contou em entrevista ao Jornal O Povo que os contatos iniciaram há quase um ano, envolveram chamadas de vídeo em meio à pandemia de Covid-19 e teve até um modelo em couro da camisa.

“Eu fazia os uniformes do clube e sabia que ele era torcedor do Fortaleza, mora no Interior, e acompanhava, mas sempre daquela forma distante, até porque a agenda dele é muito corrida, tem muito trabalho, e ele é muito focado no exercer da função dele. Um dia, entrei em contato com familiares dele, perguntando se ele estava disponível, com tempo livre, um pouco antes do primeiro pico da pandemia. Conversei com ele, a gente fez vídeo chamada, conversamos sobre o projeto, se ele topava… Enfim, avançamos. Ele chegou a fazer um modelo em couro da camisa do Fortaleza e em cima da adaptação dele, por ser manual, a gente adaptou para a linha esportiva. Foi quase uma subversão da criação de um Deus, porque eu vejo o Espedito como um Deus da criação e da arte”, disse.

O trabalho de Espedito Seleiro também ganhará as prateleiras das lojas do clube com outros produtos oficiais. Para chegar à versão final de “Luar e Sertão”, após o trabalho manual em couro do artista, o Tricolor precisou adequar ao material e design esportivo. O resultado final, de acordo com Bayma, agradou ao criador.

“A grande dificuldade foi justamente adaptar algo tão intestinal do Nordeste, cheio de rabiscos, detalhes, cores para algo do futebol, que seja moderno e, ao mesmo tempo, criativo, sem fugir das tradições do couro do Espedito. Isso a gente tentou achar o ponto do doce, e o Espedito gostou do doce. A gente espera também que a torcida do Fortaleza abrace, goste, simpatize e use esse novo produto”, afirmou o gerente de projetos.

A linha de camisas exclusivas para o Nordestão já virou tradição do setor de licenciamento do Fortaleza nos últimos anos, desde a criação da marca própria – Leão 1918. As camisas nomeadas de “Cordel” e “Jangada e Poesia” também foram utilizadas no certame. A temática regional também serve como trunfo para fazer alusão às tradições e culturas.

“Esse uniforme é uma grande homenagem aos mestres da cultura do Nordeste, não só apenas na parte de moda, design, mas também da música, das rimas, dos cordéis, como também dos guerreiros do Nordeste: o vaqueiro, o sertanejo, as pessoas que migram, que passam dificuldade… Esses guerreiros, que são característicos do Nordeste, que trazem a sua alegria… O povo nordestino é conhecido pela sua alegria, apesar da adversidade, e é isso que a gente quer trazer nesse novo uniforme, que o nordestino é, antes de tudo, um forte, ou seja, uma fortaleza”, explicou Bruno Bayma.

Com informações de O Povo 

Postar um comentário

0 Comentários