Ceará tem mais confirmações da variante de Manaus do coronavírus, informa secretário

 







Dr Cabeto, secretário da Saúde do Ceará (Foto: Barbara Moira)
Dr Cabeto, secretário da Saúde do Ceará (Foto: Barbara Moira)

A análise do sequenciamento de novos casos suspeitos da variante de Manaus do novo coronavírus está praticamente concluída e já é possível dizer que há outros casos confirmados, conforme antecipou com exclusividade ao O POVO o secretário da Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Dr. Cabeto. "Tem mais confirmações", afirmou na manhã desta segunda-feira, 1º.

Há atualmente 241 pessoas no Estado com suspeita da variante P1 do novo coronavírus. Esse é o total de casos de Covid-19 que estão sendo monitorados pela Secretaria da Saúde (Sesa) e cujas amostras foram enviadas para análise genômica. Segundo o secretário, vários desses casos analisados estão quase prontos. "Aquela análise inicial dos 20 (primeiros) casos (suspeitos), alguns já estavam em critério de praticamente definição." Sem a finalização, ainda não há um número fechado, mas Cabeto atesta: "Tem sim um número grande de mutação P1."

Até o último dia 24, 190 casos suspeitos de infecção pelo nova forma do vírus estavam sendo analisados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Ceará e no Amazonas, por meio de sequenciamento total. Mais 51 foram informados nesta segunda. Até o momento, apenas três casos foram confirmados e há 13 mortes sendo investigadas para a variante.


O secretário acredita que, em mais dez dias, todos os 190 casos que havia até semana passada já tenham resultados concluídos. Desses, ele disse, é "altamente provável" que cerca de 70% confirmem a infecção pela variante manauara.

"Essa mutação pode estar interferindo no perfil que estamos vendo, de um nível de contágio muito maior, de uma população mais jovem com formas mais graves da doença e com tempo de entrada na fase inflamatória um pouco mais demorado", explica o titular da pasta.

"Isso pode sim ter impacto no cenário epidemiológico e, mais uma vez, o isolamento se mostra importante. Porque quando você aumenta a transmissibilidade em uma determinada região, você facilita as mutações", enfatiza. Cabeto explicou ainda que parte dos casos em análise são de pacientes que não viajaram para fora do Estado nem tiveram contato com  viajantes, o que carateriza transmissão comunitária da mutação. "Estamos montando metodologia para fazer o sequenciamento genético aqui no Ceará, para a gente poder acompanhar a análise epidemiológica", acrescenta. 



O que é essa variante?

A variante P1 é de uma nova composição do Sars-Cov-2 após mutações naturais em determinadas partes de seu código genético. A P1 surgiu no final de 2020 em Manaus e foi classificada pela Organização Mundial de Saúde como uma Variante de Preocupação (VOC, do inglês Variant of Concern), designação dada a variantes com múltiplas mutações.

"Além de ter uma quantidade significativa de mutações na proteína S. Ela tende a aumentar a transmissibilidade e também pode enganar o sistema imunológico humano mais facilmente, podendo causar reinfecções e infecções em pessoas vacinadas", explica Fábio Miyajima, pesquisador da Fiocruz Ceará que integra a Rede Genômica Fiocruz. "Ao mesmo tempo, isso não significa que ela pode ser mais fatal ou causar casos mais graves", aponta, indicando aspectos da variante que ainda estão sendo estudados.

Casos confirmados

Os três pacientes que estão contaminados com a nova variante do vírus foram confirmados pela Sesa no último dia 8. São homens com mais de 60 anos e todos estavam internados em hospitais particulares de Fortaleza.

Segundo a Sesa, o fato de os três serem os primeiros confirmados não necessariamente significa que eles foram os primeiros infectados, pois não há ordem cronológica nas amostras confirmadas.

                              O POVO 


                                                                       

Postar um comentário

0 Comentários