Morre aos 74 anos a ex-guerrilheira Tereza Cristina Albuquerque, vítima da Covid-19

 





Entrevista com Tereza Albuquerque, ex-guerrilheira no Araguaia.
Na foto: Tereza Albuquerque, ex-guerrilheira no Araguaia.
Foto: Igor de Melo, em 03/09/2009. (Foto: O POVO)
Entrevista com Tereza Albuquerque, ex-guerrilheira no Araguaia. Na foto: Tereza Albuquerque, ex-guerrilheira no Araguaia. Foto: Igor de Melo, em 03/09/2009. (Foto: O POVO)

Morreu na manhã desta sexta-feira, 11, aos 74 anos, Tereza Cristina de Albuquerque. Formada em Ciências Sociais a cearense foi um símbolo da luta combate ao autoritarismo durante a ditadura militar, lutando como guerrilheira no Araguaia. Tereza morreu em decorrência da Covid-19.

"A Tereza foi uma pessoa de coragem, luta e destemor. Uma pessoa franca, que viveu para a família e dedicou boa parte de sua vida para um Brasil igualitário e justo. Ela lutou durante governos anti-democráticos. O trabalho que ela fez em vida foi sempre focado para o próximo", relata Pedro Albuquerque, ex-marido e companheiro de Tereza no Araguaia.


As causas de Tereza Albuquerque ultrapassaram as divisas do Ceará. Além de participar da luta no Araguaia durante a ditadura militar brasileira, ela participou de movimentos democráticos no Recife e foi uma das propulsoras do movimento feminista no Canadá.


"Vivemos o exílio juntos, passamos por todas as dificuldades juntos. Lutamos contra a ditadura e pela democracia. O destino nos separou.", finaliza Pedro.

O enterro ocorreu na tarde desta sexta-feira, no cemitério Jardim Metropolitano. Devido às restrições impostas pela pandemia da Covid-19, não houve realização de velório. Tereza três filhos e quatro netos, além de um legado em prol da democracia. 

o Povo 

Postar um comentário

0 Comentários