Ciopaer realiza aeromédico de recém-nascido de 11 dias do Cariri para Fortaleza

 






Profissionais qualificados, agilidade no serviço e atendimento de qualidade. Esses são alguns dos ingredientes que fazem do transporte aeromédico da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) uma referência nacional no atendimento de pacientes que precisam se deslocar com rapidez para unidades de saúde dentro do Ceará. Um recém-nascido, de apenas 11 dias, com cardiopatia, precisou do serviço para ser transportado de Barbalha para Fortaleza, nessa segunda-feira (21).

Com uma condição delicada de saúde e problema cardíaco ainda desconhecido, o recém-nascido estava em tratamento no Hospital Maternidade São Vicente, na cidade de Barbalha, quando a equipe da Ciopaer, da base de Juazeiro do Norte, foi acionada para levar o pequeno para o Hospital Dr. Carlos Alberto Studart, o Hospital da de Messejana, referência em atendimento a pacientes com doenças do coração.

A logística para fazer a remoção do recém-nascido iniciou a partir do deslocamento de uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), responsável por levar o paciente, de Barbalha até a base da Ciopaer, em Juazeiro do Norte. O pequeno foi estabilizado com os equipamentos disponíveis na aeronave Fênix 07 até que a equipe médica e o paciente chegassem ao destino final da viagem: Fortaleza.

Durante o voo, o paciente teve uma agitação, que fez com que a intubação fosse desfeita, graças às condições da aeronave e dos equipamentos, bem como dos profissionais do aeromédico, formado por médicos, enfermeiros e profissionais da segurança pública. Após contornar a situação, o paciente prosseguiu no voo nas condições adequadas e seguras para a sua integridade.

Referência nacional

Equipada com uma das mais modernas frotas do Brasil, a Ciopaer possui quatro aeronaves com capacidade de configuração para UTI aérea e detêm modernos equipamentos, entre eles, incubadoras de transportes de recém-nascidos, ventilador pulmonar, bombas de infusão, entre outros. Tudo isso devidamente acoplado aos suportes mecânicos e eletrônicos da aeronave, no intuito de oferecer uma assistência adequada aos transportados.

Duas aeronaves possuem UTIs embarcadas e são utilizadas para diversos trajetos para o atendimento aeromédico no Estado. Outros dois modelos H135, embarcados com equipamentos portáteis/móveis, também estão habilitados para realizar o serviço que salva vidas e encurta o tempo de socorro do traslado entre hospitais dentro do território cearense.

Postar um comentário

0 Comentários