Paulinho foi alvo da primeira operação da Lava Jato na Justiça Eleitoral em São Paulo em julho do ano passado.

A Polícia Federal (PF) indiciou, nesta sexta-feira (2), o deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade-SP) por caixa dois eleitoral, lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Outras duas pessoas também foram indicadas. As penas variam de 3 a 12 anos de prisão.

As investigações tiveram como base a delação premiada de executivos e acionistas do Grupo J&F.

Paulinho teria recebido do grupo R$ 1,7 milhão nas eleições de 2010 e 2012, quando foi candidato deputado federal e a prefeito de São Paulo.

Deste valor, R$ 1,45 milhão teria sido por meio de caixa dois.

De acordo com os delatores, o dinheiro foi entregue em espécie, por doleiros, num comitê do então candidato, em São Paulo, nos anos de 2010 (R$ 750 mil), 2012 (R$ 300 mil) e 2013 (R$ 200 mil), destaca O Globo.

As investigações relacionadas ao deputado foram iniciadas em meados de 2019, logo após o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir que crimes conexos a campanhas eleitorais deveriam ser apurados pela Justiça Eleitoral.

A decisão da Corte foi tomada por 6 votos a 5. Como os fatos ocorreram fora do exercício do atual mandato, o processo pode ser movido na primeira instância.

(Renovamídia)

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib