Após denúncia anônima, o Conselho recorreu ao Ministério Público do Estado solicitando ao promotor que designasse policiais para acompanhar as atividades. (Foto: Divulgação/Conselho Regional de Medicina Veterinária)
Após denúncia anônima, o Conselho recorreu ao Ministério Público do Estado solicitando ao promotor que designasse policiais para acompanhar as atividades. (Foto: Divulgação/Conselho Regional de Medicina Veterinária)

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Ceará (CRMV-CE) realizou no fim da tarde da última sexta-feira, 4, o fechamento de um abate bovino na cidade de Morrinhos - município a 206 km de Fortaleza. De acordo com o Conselho, no local, as mortes de bois eram feitas através de machadadas e as carnes eram posteriormente vendidas nos estabelecimentos comerciais da região. Após denúncia anônima, o Conselho recorreu ao Ministério Público do Estado solicitando ao promotor que designasse policiais para acompanhar as atividades. 

Os fiscais do órgão médico-veterinário e policiais militares ficaram em campana para averiguar o abatedouro no fim da tarde de ontem, quando foi constatado o abate de forma irregular e não prezando pelos princípios básicos sanitários.

Segundo o presidente do Conselho, Célio Pires Garcia, os animais eram amarrados em um poste e mortos através de uma machadada na testa, em seguida sangrados na rua. Na sequência, o trato da carne e do couro era feito em cima de um papelão, com uma grande quantidade de outros animais, como cães e porcos, que chegavam a lamber o que seria distribuído nos comércios de Morrinhos.


 Foi verificado, ainda, restos de carcaça bovina no espaço tido como "completamente inóspito para a prática" de acordo com o assessor técnico de fiscalização do CRMV-CE, Felipe Dourado. Não havia a presença de médico-veterinário para realizar a inspeção da carne e verificar as condições do abate.

O órgão entrou com uma ação civil e criminal contra pessoas que realizam o abate em via pública e contra o prefeito da Cidade, Carlos Alberto Rocha Bruno, por não coibir a prática. Carnes clandestinas e em situações de abate como as apreendidas trazem grandes riscos à saúde humana, sendo papel do médico-veterinário prezar pelo bem estar e saúde humana e animal.

De acordo com o assessor jurídico da Prefeitura de Morrinhos, Emanuel Nazareno Menezes Costa, o abatedouro está fechado desde 2008. Segundo ele, as informações obtidas dão conta de que os animais flagrados pelo Conselho estariam na parte de fora do abatedouro, que seria fechado com cadeado e tem presença de um vigia. Ele informou ainda que, em 2017, a Prefeitura realizou uma parceria com as gestões de Marco e Santana do Acaraú para construção de um abatedouro. A obra estaria em fase de licitação. 

Como realizar denúncias

Durante o período de pandemia, denúncias podem ser realizadas através do e-mail fiscalizacao@crmv-ce.org.br


Clique na imagem para abrir a galeria

 O POVO 

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib