Com 67 turmas formadas e 2.100 produtores beneficiados, o Ceará é destaque nas ações do Programa de Desenvolvimento da Região Nordeste (Agronordeste), atrás apenas da Bahia. Os dados constam no balanço das atividades da primeira quinzena de agosto, conforme informou o coordenador do Agronordeste /ATeG, engenheiro agrônomo Eduardo Barroso. “Pretendemos bater a nossa meta até o final do ano com a implantação de 144 grupos e 4.320 produtores, podendo ocorrer um pequeno atraso em virtude da pandemia do coronavírus, e da contratação de técnicos para prestar a assistência técnica devida, o que requer uma série de exigências e demandam algum tempo”, disse o engenheiro.


                                         

O Agronordeste é um programa desenvolvido pela Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensâo Rural (Anater), do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em parceria com diversos órgãos, cuja finalidade é apoiar iniciativas que venham promover o desenvolvimento da região Nordeste, através do aumento do crédito, da produção, com tecnologia e assistência técnica e gerencial, incentivando o associativismo.
Para o superintendente do Senar Ceará, Sérgio Oliveira da Silva, a assistência técnica e gerencial tem uma grande importância no processo de educação e desenvolvimento do produtor rural e também no crescimento do agronegócio. “Isso porque suas ações levam consigo as informações sobre novas tecnologias, inovações, pesquisas, entre outros conhecimentos fundamentais para o desenvolvimento das suas atividades”, explica.
Cada turma é composta de 30 produtores por cadeia produtiva, sendo as principais: bovinocultura de leite, ovinocaprinocultura, fruticultura e apicultura. “Nossa preocupação é que o produtor consiga resolver seus problemas, elaborando um plano de desenvolvimento viável para seu negócio, detectando os obstáculos nas diversas áreas incluindo a comercialização e promovendo o associativismo”, disse Sérgio Oliveira.
O modelo de assistência técnica e gerencial do Senar foi credenciado pela Anater, por adotar uma metodologia inovadora que acompanha o produtor em várias fases. Cada grupo de produtores recebe a visita de técnicos especializados na cadeia produtiva beneficiada, que acompanha o trabalho durante dois anos até que todas as etapas sejam cumpridas.
Recentemente, o Senar Ceará teve projeto selecionado pelo Banco do Nordeste, com recursos do Fundeci, que vai atender, a partir do próximo ano, mais 15 municípios dos sertões de Crateús e dos Inhamuns na cadeia produtiva da apicultura.

Metodologia
O programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar conta com metodologia própria e inovadora, que tem por objetivo disseminar novas tecnologias e formas de manejo que possibilitem ao produtor obter maior conhecimento sobre a sua atividade, permitindo o desenvolvimento do seu negócio.
Além das técnicas de manejo da produção, o programa realiza o acompanhamento gerencial das propriedades rurais, controlando custos e medindo os resultados econômicos das atividades, fundamentado em cinco etapas: diagnóstico produtivo individualizado, planejamento individualizado, tecnológico, capacitação profissional complementar e avaliação sistemática de resultados.

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib