Últimas Notícias

Ceará atinge 38% de escolas de Ensino Médio com tempo integral


COM MAIS UMA escola, Fortaleza passa a ter 49 em tempo integral
 
COM MAIS UMA escola, Fortaleza passa a ter 49 em tempo integral
Ao implantar mais 25 Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral (EEMTIs), o Ceará chega a 38% das unidades públicas com jornada prolongada. No total, há 277 colégios do tipo, sendo 155 EEMTIs e 122 de Educação Profissional (Eeep). A rede estadual de ensino conta com 728 equipamentos. Nessa quinta-feira, 13, o governador Camilo Santana e a vice-governadora Izolda Cela apresentaram o avanço no Palácio da Abolição, em Fortaleza.

As novas escolas iniciam com a matrícula de 3.589 alunos no 1º ano do Ensino Médio. Com esses moldes, quem está matriculado nos 2º e 3º anos segue sem utilizar o tempo complementar. A expectativa é de que o atendimento seja ampliado gradualmente ao longo dos próximos anos. Em 2020, serão 71 municípios com EEMTIS, beneficiando mais de 41 mil alunos. Em Fortaleza, aderiram ao sistema 49 unidades.

Nesse sistema de tempo integral, o currículo dos estudantes será composto de 30 horas semanais com disciplinas da base comum e mais 15 horas na parte flexível, em que o aluno terá oportunidade de escolher dez disciplinas. Cada escola oferece uma jornada de nove horas, com três refeições diárias.
A oferta de componentes eletivos foi estruturada levando em consideração as áreas de conhecimento previstas na Base Nacional Curricular Comum (BNCC), com o objetivo de possibilitar aos alunos a estruturação do seu itinerário formativo e reflexão sobre a trajetória acadêmica.

Depois de conhecer produtos feitos por estudantes em disciplinas eletivas, Camilo Santana reafirmou compromisso de continuar expandindo o Tempo Integral nas escolas. "É uma experiência importante na vida desses jovens. Para ampliar o aprendizado e fazer com que o aluno tenha oportunidades para o futuro", comentou.

De acordo com a secretária da Educação, Eliana Estrela, o sistema de jornada prolongada oportuniza o desenvolvimento de habilidades e competências, além de promover melhor aprendizagem e interação com os professores. "É uma política importante que oportuniza mais tempo de aprendizagem. O aluno tem mais tempo de interação com colegas, professores, laboratórios e livros. Ele desenvolve as habilidades e competências socioemocionais", declarou Eliana.
A gestora sugere que os estudantes transitem entre diferentes áreas para ter uma formação integral. A oferta de atividades curriculares eletivas ocorre semestralmente.

Diretora da EEMTI Maria Rosalina De Oliveira Pinho, Cirya Meireles pontua que foram ofertadas vagas para três turmas, mas foi necessário abrir outra para atender a demanda. As disciplinas eletivas oferecidas são de empreendedorismo, informática básica e gastronomia. Além das voltadas para a cultura e esportes.

"Nós temos o parceria com o município, principalmente, em relação ao transporte, para atender os jovens da sede e do interior", explica. A escola está instalada na cidade de Ipaporanga, distante 363 quilômetros de Fortaleza. "A comunidade se sentiu valorizada esse olhar que tiveram para os nossos jovens. Os alunos estão muito empolgados", contou Cirya Meireles.

Durante o lançamento, o governador Camilo Santana também fez a entrega de equipamentos para apoiar as disciplinas eletivas das 25 novas EEMTIS. Cada escola receberá dois notebooks, uma televisão de 50 polegadas, um kit de microfone sem fio, uma caixa de som amplificada e um baú com itens voltados à produção de esquetes das eletivas de teatro. O investimento é de R$ 1,5 milhão.
 
 
Ceará caminha para reduzir desigualdades ao priorizar locais vulneráveis, diz especialista
Municípios mais populosos e escolas em áreas consideradas vulneráveis foram os critérios utilizados para a escolha das 25 unidades que, a partir deste ano, ofertam Ensino em Tempo Integral. 20 dessas oferecem a modalidade de estudos pela primeira vez. Para Claudia Costin, diretora do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getúlio Vargas, o Estado do Ceará avança a passos largos para reduzir a desigualdade educacional também no Ensino Médio.

"É interessante que se colocam não apenas os conteúdos, mas trabalham protagonismo, ampliam repertório cultural e mobilizam os alunos para expectativas de um futuro melhor. Com essa força, esses estudantes não serão perdidos. Terão a oportunidade de aprender e preencher lacunas de etapas anteriores do ensino", analisa Costin.

A especialista observa o alunado das escolas em tempo integral como disciplinados a partir de uma visão contemporânea. Diferente das unidades cívico-militares, que impõe disciplina a partir de uma perspectiva do século 20. Para Costin, o jovem se engaja, cuida da sua aprendizagem, porque se percebe empreendedor da própria vida escolar.

"Isso com certeza repercutirá no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Há um monitoramento na aprendizagem muito firme no Ceará para que as coisas possam avançar. Essa expansão da rede de escolas de ensino médio em tempo integral vai na direção correta", avalia Claudia Costin.
 

O estudo "Excelência com equidade no Ensino Médio", divulgado em 2019, revela que entre as 100 escolas com melhores resultados de aprendizagem e que atendem alunos com baixo nível socioeconômico, 55 são unidades de ensino do Ceará que ofertam o tempo integral. 

A pesquisa foi realizada pelas instituições Interdisciplinares e Evidências no Debate Educacional (Iede), Fundação Lemann, Instituto Unibanco e Itaú BBA. 

Novas escolas em 2020
 
Abaiara
Acaraú
Assaré
Cariús
Fortaleza
Ibaretama
Ipaporanga
Irauçuba
Jardim
Jati
Jucás
Massapê
Mauriti
Mombaça
Morrinhos
Parambu
Paracuru
Penaforte
Poranga
Quixadá
Sobral (2)
Tianguá
Várzea Alegre
Varjota  


O POVO