Trabalhadores marcham contra reforma da Previdência e cortes na educação


Governo Bolsonaro já foi alvo de outros grandes protestos este ano contra cortes na educação
Governo Bolsonaro já foi alvo de outros grandes protestos este ano contra cortes na educação

O dia hoje é de mobilização. Trabalhadores e movimentos sociais de todo o Brasil deverão ir às ruas pleiteando mudanças na reforma da Previdência e paralisação do contingenciamento de recursos para a Educação. Em Brasília, mulheres do campo estarão se preparando para a Marcha das Margaridas, evento que reúne trabalhadoras rurais em busca de direitos.

A concentração do protesto organizado pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) em Fortaleza ocorrerá na Praça da Gentilândia, no Benfica, às 8 horas. "Em Fortaleza mobilizamos cerca de 100 mil participantes. Trabalhadores do campo e da cidade, estudantes e professores, principalmente", afirma o secretário de comunicação da CUT Ceará, Emanoel Lima. Conforme ele, cerca de 60 entidades da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo participarão do ato.

As pautas mais específicas destacam a necessidade de ir contra pontos da reforma da Previdência, já aprovada na Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado. Exemplos delas são: manter o cálculo atual das aposentadorias pela média de 80% dos maiores salários de contribuição; excluir o dispositivo que permite pagamento de pensão por morte de valor inferior a um salário mínimo caso o beneficiário tenha outra renda; e aumentar o tempo de contribuição para o trabalhador rural.

"A proposta é continuar pressionando o Congresso, os senadores, para reverter perdas. E ainda mostrar para a sociedade quem foram os 11 deputados (cearenses) que votaram a favor da reforma", destaca Emanoel. Ele pondera que muitos desses deputados se candidatarão a cargos nas eleições municipais em 2020 ou apoiarão candidatos. "Queremos mostrar quem são para que a classe trabalhadora não votem", frisa.

Em Brasília, cerca de duas mil mulheres cearenses farão parte da Marcha das Margaridas. A manifestação existe há quatro anos e traz em seu nome o mesmo de Margarida Maria Alves, trabalhadora rural assassinada em 1983 na Paraíba. A presidente interina da Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Ceará (Fetraece), Cícera Costa, conta que o momento é de pedir respeito ao Nordeste.
"Queremos a retomada da democracia, dizemos não a todas as formas de violência contra as mulheres e pedimos respeito ao Nordeste e à Constituição", destaca Cícera. O dia hoje será de oficinas no Parque da Cidade. Amanhã será realizada uma marcha pelo ministérios até o Congresso.

Protestos
 
Hoje é o Dia Nacional de Mobilizações, Paralisações e Greves Contra a Reforma da Previdência, em Defesa da Educação e por Empregos.
"Esse é o caminho a seguir: resistência e luta organizada, unificada e incansável", afirma o presidente Nacional da CUT, Vagner Freitas.
Protestos pelo Ceará e Brasil
Protestos no Ceará
Cariri - Juazeiro do Norte
Credi 19 - 8 horas
Cascavel
Praça de São Francisco - 9 horas
Crateús
Banco do Brasil - 7h30min
Fortaleza
Praça da Gentilândia - 8 horas
Iguatu
Praça da Caixa - 7h30min
Itapipoca
Praça do Cafita - 8 horas
Limoeiro do Norte
Praça do BNB - 8 horas
Morada Nova
Praça da Matriz - 7h30min
Russas
Secretaria de Saúde - 7h30min
Sobral
IFCE - 18h30min
Tabuleiro do Norte
Igreja Matriz - 8 horas
Outros estados
Bahia
Goiás
Maranhão
Mato Grosso do Sul
Minas Gerais
Paraíba
Pernambuco
Piauí
Paraná
Rio de Janeiro
Rio Grande do Norte
Rondônia
Roraima
Rio Grande do Sul
Santa Catarina
São Paulo
Tocantins  


O  POVO