Postagem em destaque

Comissão entrega Projeto do Curso de Gestão de Turismo da URCA

Polêmicas de Bolsonaro devem se refletir em discussões na volta das férias do Legislativo

Polêmicas protagonizadas por Bolsonaro devem se refletir na atuação parlamentar. Centrão e governistas, contudo, tentarão blindar pauta econômica
Câmara dos Deputados
Câmara dos Deputados
É em cenário de turbulências e com previsão de debates acirrados que Câmara dos Deputados e Senado retornam hoje às atividades em Brasília, após 15 dias de recesso. Enquanto puderam descansar ou dedicar-se a compromissos particulares, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) administrou agenda interna e externa.
Nesse intervalo de tempo, o capitão reformado viu-se, por exemplo, na polêmica que envolveu governadores nordestinos, aos quais se referiu como "de paraíba". E, mais recente, ao reclamar da atuação da OAB no caso Adélio Bispo, provocou Felipe Santa Cruz, presidente da entidade, afirmando saber como o pai dele morreu.
Santa Cruz foi ao Supremo, ontem, pedir à Corte que exija resposta de Bolsonaro. Fernando Augusto de Santa Cruz desapareceu na Ditadura Militar (1964-1985) e era militante da Ação Popular, grupo de cunho marxista-leninista.
Em meio aos entreveros que se acumulam, o segundo turno da reforma da Previdência, com votação prevista para o próximo dia 7, e a reforma do sistema tributário são debates que devem ganhar destaque na segunda metade do ano.

Ex-presidente da Comissão Especial de reforma da Previdência — fase já superada pelo texto —, o deputado Marcelo Ramos (PL-AM) diz ao O POVO que a pauta econômica tem de ser blindada independente de arroubos vindos do Planalto.
"Um clima ruim é tudo o que o presidente não precisa diante da urgente necessidade de votação da reforma da Previdência em segundo turno", avalia. Ele entende que a discussão de "questões periféricas" pauta a oposição e atrasa discussões.
Sobre a reforma tributária, Ramos projeta mais dificuldade do que o que se prevê. Conforme aponta, governadores têm interesses distintos entre si e o Governo Federal tem uma concepção própria, diferente da do Senado, que aprovará uma proposta e a Câmara, por sua vez, promoverá alterações.
Mesmo tendo votado em Bolsonaro no segundo turno, o deputado federal Vinicius Poit (Novo-SP) reprova a declaração endereçada a Santa Cruz. "Não faz sentido nenhum, não tem cabimento." Assim como Ramos, contudo, entende que é necessário proteger temas econômicos. Quando a reforma previdenciária passar, aposta o paulista, Bolsonaro verá um "endurecimento" do Congresso.
Discorda o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). Ele entende que a temperatura deve esquentar já no retorno de hoje. Projeta, inclusive, que "vai ter gente propondo o impeachment (de Bolsonaro)."
A respeito da reforma tributária, Costa adianta que tudo corre para que a bancada do PT apresente texto alternativo a todos os que estão postos. Para o segundo turno da reforma previdenciária, ele confessa acreditar que a Câmara é o ambiente propício a alterações da oposição, o que não deve ocorrer no Senado.
Provável relator da proposta no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE) quer emplacar pelo menos uma mudança: a reinclusão de estados e municípios no texto. Eduardo Girão (Podemos-CE) diz ser solidário à ideia, embora diga que ainda tomará posição a partir do relatório do tucano.
Bolsonarista cearense, o deputado Heitor Freire (PSL) acrescenta às duas reformas a aprovação da Medida Provisória 881, da "liberdade econômica", que versa sobre privatizações. A proposta perde validade no próximo dia 28.
"Nosso papel será evitar que as propostas sejam desidratadas pela oposição e em favor da economia de R$ 1 trilhão, sendo R$ 900 bilhões do texto já aprovado (Previdência) e mais R$ 200 bilhões, levando em consideração a MP Antifraude", ressalta.
Líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE) diz que a legenda tentará convencer os oito parlamentares que votaram pelas novas regras previdenciárias a mudar posicionamento no segundo turno. Para a reforma tributária, Figueiredo diz que a bancada seguirá reivindicação dos governadores de repartição de receitas. "Também vamos ter enfrentamento no que diz respeito a tributação do rentismo."
Ele interpreta o comportamento de Bolsonaro como inadmissível. "Nós vamos querer ir para embate muito pesado, porque a cada dia é uma pauta negativa que ele coloca na imprensa."


o Povo 
Polêmicas de Bolsonaro devem se refletir em discussões na volta das férias do Legislativo Polêmicas de Bolsonaro devem se refletir em discussões na volta das férias do Legislativo Reviewed by blogdoamauryalencar.blogspot.com.br on 09:26 Rating: 5

Random Posts

3/random/post-list