Delegada ficou em choque após ser vítima de racismo em loja de shopping em Fortaleza - Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

O Blog mais completo do interior do Ceará com compromisso com a notícia.


20/09/2021

Delegada ficou em choque após ser vítima de racismo em loja de shopping em Fortaleza

 

Polícia cumpre mandado de busca e apreensão em loja de Fortaleza (foto: reproduçãovídeo)

Polícia cumpre mandado de busca e apreensão em loja de Fortaleza (foto: reproduçãovídeo)

A delegada Ana Paula Barroso, diretora adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV) da Polícia Civil do Ceará, foi alvo de crime de racismo na loja Zara, localizada no shopping Iguatemi, em Fortaleza. Após ser barrada ao tentar entrar na loja no domingo, 19 , ela ficou consternada, em estado de choque e chorosa. A descrição sobre o estado da delegada e a ocorrência foi feita pela delegada responsável pelo inquérito policial, Ana Claudia Nery da Silva.

A vítima entrou na loja Zara com uma sacola de outra loja e tomava sorvete quando foi abordada pelo  gerente do estabelecimento, que tentou afastá-la justificando que seria uma norma de segurança. A delegada Ana Paula então perguntou se era pelo sorvete. Em seguida, ela questionou um segurança do shopping sobre o ocorrido e ele acionou o chefe de segurança do local, que a reconheceu como delegada.

Neste momento, a vítima adentrou na loja com o chefe da segurança, que indagou o funcionário sobre o que havia acontecido. "Ele foi logo dizendo que não tinha preconceito e que tinha amigos negros, gays e lésbicas", conta a delegada Ana Claudia. Para a profissional, a fala só reafirma o preconceito.

Boletim de Ocorrência

 

A vítima fez o Boletim de Ocorrência Eletrônico (B.O) e a Polícia Civil pediu as imagens internas do shopping. O estabelecimento cedeu, mas a loja Zara não. A delegada Ana Claudia disse que enviou um ofício, mas não receberam resposta. Então, a Polícia Civil pediu o mandado de busca e apreensão, que foi concedido pela Justiça e cumprido nessa segunda-feira, 20.

A delegada relata que a movimentação em torno do caso foi possível, não por Ana Paula Barroso ser delegada, mas por ela conhecer as ferramentas para denúncia. No momento do crime, a delegada poderia ter dado voz de prisão ao funcionário, mas ela ficou em estado de choque, chorosa e consternada pelo que houve.


                               o Povo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.