03/03/2021

Deputado André Figueiredo defende participação da construção civil para geração de emprego e renda no estado

 




Ocupando o 8º lugar no ranking de valor de incorporações, obras e/ou serviços da construção, o Ceará tem uma participação de 3,4% no segmento nacional. O deputado André Figueiredo (PDT-CE) destacou a importante perspectiva de crescimento do setor para 2021, que é um dos mais importantes dentro da composição do PIB do estado e do País.

“Todas as iniciativas que possam preservar essa participação da indústria da construção civil, a geração de emprego e renda, que são consequência desse crescimento, sem dúvida alguma tem que ter todo o apoio legislativo”, ressaltou.


Trazendo modernização, com o objetivo de alavancar o setor imobiliário do estado, a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Ceará (Sinduscon-CE) realizaram uma parceria por meio do Serviço Social da Indústria (SESI Ceará) para implementar uma nova tecnologia, considerada uma revolução tecnológica na construção civil brasileira.

O “Building Information Modeling” (BIM) busca viabilizar a introdução da Modelagem da Informação da Construção no cotidiano das empresas. O engenheiro de Segurança do Trabalho do SESI Ceará, Rodrigo Nogueira, avaliou os impactos positivos da iniciativa.

“Com ele você pode planejar melhor suas obras, realizando modelagens e projetos em 3D e ele permite também simular as etapas da construção de uma obra. Com isso você vai conseguir ter um planejamento melhor do cronograma, evitando atrasos, otimizando os custos de sua produção e aproveitando melhor sua mão de obra”, declarou.

O sistema permite criar digitalmente um ou mais modelos virtuais precisos de uma construção, com o objetivo de oferecer um planejamento eficaz, banco de dados único, redução de custos e otimização do tempo, o que deve favorecer o avanço do setor.

Segundo o vice-presidente da área de tecnologia do Sinduscon-CE, Jorge Dantas, a expectativa para este ano é que a plataforma colaborativa consiga atingir o máximo da sua implementação, com todos os resultados sendo divulgados abertamente para que chegue à ponta, no caso, os empreendedores de micro, pequenas e médias construtoras do estado.

“As empresas que forem implementadas nesse sistema vão falar todos os seus pontos positivos, negativos e dificuldades de implementação. Então essa situação vai ser trazida para que toda a sociedade, no nosso meio industrial da construção civil, na implementação do BIM, tenha conhecimento e possa aplicar e implementar de forma segura, com poder econômico melhor que uma empresa que trabalha hoje sozinha”, contou.


                                  Fonte: Brasil 61

Deputado André Figueiredo (PDT-CE). Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados