Quixadá: Após repercussão, Comissão esclarece que antigo prédio do GVA passa por restauração

 










Nos últimos dias, muitos questionamentos surgiram acerca da proteção do antigo prédio do Colégio Valdemar de Alcântara (CVA) – Ginásio Valdemar Alcântara – em Quixadá, no Sertão Central. O motivo é que, após a colocação de estruturas de madeiras no local, começaram a circular imagens que questionavam se o prédio seria demolido, resultando na perda, para o município, de uma de suas construções históricas.

Após a repercussão, a Comissão de Revitalização do Casarão do CVA emitiu nota, na última quinta-feira, 28, esclarecendo a situação.

A nota

Conforme o documento, a Comissão foi formada no intuito de “conduzir os trabalhos de restauração do prédio”, já que este passará a ser o Centro Cultural Diocesano, e que a proteção colocada ao redor do prédio se deu em razão da “retirada do telhado” e “trata-se de medida necessária para evitar danos materiais aos transeuntes e guarnecer a própria estrutura física do imóvel, sendo posteriormente restaurado”.

A nota da Comissão ainda lamenta os boatos que foram gerados acerca do futuro do local: “Lamentável, na amplitude das redes sociais, não raro muitas informações são veiculadas desconectadas da verdade, em prejuízo de pessoas e instituições, propulsionando versões tumultuadas do fato.”

O tombamento do casarão da CVA, de acordo com a nota, foi solicitado, voluntariamente, à Prefeitura de Quixadá, logo após a conclusão do laudo técnico estrutural, feito por uma empresa especializada em estruturas. O documento foi protocolado no Gabinete do prefeito em 02 de dezembro do ano passado.

Confira a nota de esclarecimento da Comissão na íntegra clicando AQUI.

Assunto de 2020

Em outubro de 2020, informações começaram a circular sugerindo que o prédio do CVA estaria sendo posto à venda, o que foi negado pelo bispo de Quixadá, Dom Ângelo Pignoli, que afirmou, através de nota: “Nunca se cogitou a venda, demolição ou qualquer outra forma de alienação do referido imóvel”. No mesmo documento, o religioso citou que o telhado da edificação apresentava problemas e que a estrutura passaria por uma análise técnica.

O prédio do antigo CVA não pode ser objeto de negociação, seja venda, arrendamento ou locação, conforme o termo de doação feito pela família do médico e professor Valdemar de Alcântara à Diocese de Quixadá.

Projeto Salve o Casarão

O projeto ‘Salve o casarão’, criado por ex-alunos e ex-professor Ginásio Valdemar Alcântara, iniciou um movimento pedindo pedindo o tombamento do prédio.

“O movimento surgiu a partir de uma inquietação de uma ex-professora da instituição”, explicou uma das autoras do projeto em entrevista ao site Sertão Redação, em outubro de 2020.

Desde sua criação, os que fazem parte do projeto estão atentos aos movimentos da Diocese quanto à proteção do Casarão, realizando postagem, no último dia 26, sobre as intervenções realizadas no prédio.

“Tem alguns dias que o casarão passa por uma descaracterização fugindo totalmente de um procedimento técnico de restauro. O que vão fazer com o casarão? Será mais um prédio que será destruído? O conselho municipal de patrimônio foi ativado, mas precisamos de respostas!!!”, destacou a publicação.

Repórter Ceará (Foto: Reprodução/Instagram/Salve o Casarão)

Postar um comentário

0 Comentários