Professora Sarita Bezerra e a estudante Maria Clara, Foto >  Arquivo Pessoal 




Com apenas 13 anos de idade, a caririense Maria Clara Grangeiro, teve uma obra selecionada no I Concurso Literário Juvenil promovido pela Academia de Letras do Brasil de Santa Catarina – Seccional de Palhoça. Intitulada “Amor”, a poesia foi produzida na escola onde estuda, em Barbalha, na disciplina de redação.

Após exposição em aula virtual do gênero poema e sabendo do concurso literário, a professora Sarita Bezerra incentivou os alunos a participarem. A adolescente do 8° ano manifestou interesse e a resposta foi positiva. Como finalista no concurso, Maria Clara terá seu poema publicado em um e-book e em livro de na versão física, ocupando lugar de honra na coletânea promovida pela Academia de Letras.

A estudante conta que parte da inspiração em escrever veio de dentro da própria família. “Principalmente meu avô, que sempre que eu ia à casa dele, me mostrava todos os cordéis que tinha escrito e as poesias. E quando ele se foi, eu queria sempre ter ele do meu lado de alguma forma, então resolvi escrever. Era uma maneira incrível de me lembrar dele e honrá-lo ao mesmo tempo”, conta Maria Clara.

Com a resposta positiva e a publicação da poesia, a estudante diz que se sentiu honrada. “Foram vários candidatos e obras incríveis. Eu sinceramente não esperava ter esse resultado”, conta a caririense. Maria Clara confessa que mesmo não gostando quando uma coisa que queria muito não dá certo, ela não desiste. “Sempre me ensinaram a ser persistente e para seguir todos os meus sonhos, mesmo as vezes sendo difícil. Quando uma coisa que eu queria acaba não dando certo, eu fico meio irritada e querendo desistir, porém tenho pessoas na minha vida que me mostram que é normal as coisas não acontecerem da jeito que a gente sempre quer”, finaliza.

A professora e incentivadora da adolescente afirma que o resultado “nos mostra que, mesmo diante do cenário pandêmico em que vivemos, com dedicação e esforço da escola, dos profissionais da educação e alunos, podemos ver bons resultados”.

No último mês, Sarita recebeu em sala de aula virtual Maurício de Sousa, criador da Turma da Mônica, para conversar com suas crianças sobre o gênero História em Quadrinhos. A professora resolveu entrar em contato com o quadrinista, que prontamente lhe respondeu e aceitou o convite. “Nunca imaginei. Foi a concretização de um sonho”, disse Sarita.

Após o incentivo às crianças com a presença de Maurício de Sousa e o impulso para a aprovação da poesia de Maria Clara, Sarita conta que a intenção é sempre motivar os alunos. “Eu quero que eles deixem fluir a arte que eles tem”, diz a professora. “Eu sou motivação para eles, mas também me sinto motivada. Fico feliz em ver que eles estão ganhando com meu trabalho, fico feliz em construir com eles uma lembrança boa da época da escola”, conclui a professora.

Veja a poesia “Amor”, da jovem poetisa Maria Clara Grangeiro:

 

Amor

Sentimento ardente

Surge do nada, tornando-se tudo.

Por vezes, é decepcionante.

Para sempre, indesistível.

É saudosidade,

quando a falta faz lembrar quem se ama.

Dele surge o bobo.

E ser tolo por amor não é errado,

é normal!

Nele, linhas inesperadas se cruzam,

Imprevisíveis.

Quando contínuas, é feliz quem se ama.

Mas, se a curva vem, e com ela a dor,

não quer dizer que acabou.

Amar é constância sem temor,

incontrolável temor.

Maria Clara Grangeiro Moraes 


     ( Badalo)  

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib