Vítimas de crimes sexuais de prefeito afastado de Uruburetama registram BO por perseguição


MPCE afirma que as mulheres que denunciaram o médico José Hilson de Paiva sofrem retaliação de funcionários da prefeitura e da população. Algumas delas fizeram boletim de ocorrência sobre os casos
Acesso da Câmara Municipal de Uruburetama, guardada pela Polícia Militar(Foto: Alex Gomes/Especial para O POVO)
Acesso da Câmara Municipal de Uruburetama, guardada pela Polícia Militar(Foto: Alex Gomes/Especial para O POVO)
Grupo de mulheres registrou Boletim de Ocorrência nas delegacias de Uruburetama e de Cruz por denúncias de intimidação por parte da própria população e de funcionários das prefeituras. Segundo o Ministério Público (MPCE), elas seriam vítimas de crimes sexuais do médico e prefeito afastado de Uruburetama, José Hilson de Paiva, estariam sofrendo perseguição e não estariam recebendo atendimento médico.

Coordenadora do Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência (Nuavv) do MPCE, a promotora Joseana França afirma que a disputa política provoca retaliações às mulheres que denunciaram os crimes sexuais, principalmente por apoiadores do prefeito afastado.


A equipe do MPCE passou dois dias em cada uma das cidades, colhendo informações das vítimas. Segundo França, os casos mais graves ocorrem principalmente em Uruburetama. Duas das mulheres denunciaram que tiveram as casas em que moram apedrejadas.

"Os crimes tiveram início em 1994, são muito antigos. E o machismo é tão grande que precisamos fazer busca ativa nas casas. A mãe de uma das vítimas se dirigiu à filha e disse que ela não falasse nada, porque ia sobrar pra ela", aponta a promotora.
Segundo França, o médico e prefeito afastado era conhecido em Uruburetama como "Mão Santa" e, em Cruz, como "santo doutor Hilson". As mulheres, muitas vezes, nunca tinham passado por uma consulta com um ginecologista e, por isso, não tinha conhecimento dos procedimentos.
O médico José Hilson de Paiva foi afastado do cargo de prefeito de Uruburetama e está preso, suspeito de abusos sexual de pacientes
O médico José Hilson de Paiva foi afastado do cargo de prefeito de Uruburetama e está preso, suspeito de abusos sexual de pacientes
José Hilson de Paiva, foi denunciado pelo MPCE por estupros ocorridos nas duas cidades. A defesa alegou que os crimes prescreveram e ingressou com um habeas corpus no Tribunal de Justiça (TJCE), que pode ser julgado na próxima terça-feira, 10.

Em nota, o advogado de José Hilson, Leandro Vasques, atribui a interesses políticos a denúncia. "Quanto ao fato de mulheres estarem sendo discriminadas perante o setor de saúde daquela cidade, quem deve satisfação pública é a própria administração, que agora é gerida pelo vice prefeito Arthur Nery", diz o advogado.

A nota complementa que "a oposição política de Hilson Paiva vai prosseguir "semeando acusações fabricadas e criando factoides para induzir autoridades em erro". "O que pretendem é constranger o Tribunal que está prestes a julgar o pedido de habeas corpus de Hilson Paiva, mas ainda existem juízes no Ceará e confiamos que os julgadores preservarão o entendimento já pacificado na Corte de que quando medidas cautelares diversas da prisão se mostram suficientes a prisão é meio excessivo, se relevando inadequado".

Sobre o habeas corpus Vasques diz que já existem dois votos (de três) favoráveis à concessão do pedido "e é natural um julgador pedir vista para melhor expressar seu voto.
A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que a confirmação dos boletins de ocorrência, a quantidade de mulheres e o teor das denúncias somente
Opoderia ser respondida na próxima segunda-feira, 9.  

o Povo
   


Opoderia ser respondida na próxima segunda-feira, 9.