Metade dos óbitos por câncer ósseo no Ceará atinge pessoas com mais de 60 anos


Embora represente apenas 1% do total de casos de câncer, o tumor maligno ósseo foi a causa do óbito de 108 pessoas somente nos seis primeiros meses de 2018, no Ceará. Os dados mais recentes são da Secretaria da Saúde do Estado, registrados até 2 de julho. Das 108 pessoas que morreram devido a doença, 54 tinham idade igual ou superior a 60 anos.
A predominância dos óbitos nesta faixa etária se mantém desde 2016, quando foram registradas 122 mortes pela doença no Ceará; destas, 62 eram pessoas com 60 anos ou mais. Em 2017, foram 105 óbitos, estando 52 incluídos nesta faixa etária. O menor índice de mortes é o de pacientes de até 9 anos de idade, que tiveram um total de quatro óbitos de 2016 a julho de 2018.
A doença rara pode se originar de duas formas: a partir de um tumor maligno primário, formado inicialmente no osso, e através da metástase de um câncer que surgiu em outra parte do corpo. Os tipos que mais comumente afetam os ossos dessa maneira são os cânceres de mama, de próstata e de tireoide. Dentre os sintomas do câncer ósseo estão uma dor contínua no osso, que aumenta progressivamente, aliada a um inchaço no local, no entanto, somente um diagnóstico preciso pode confirmar a doença.