CPI DA COVID : Aziz descarta convocar Michelle após mensagem de Dominguetti - Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

Blog Amaury Alencar - O Mais completo do Interior do Ceará

O Blog mais completo do interior do Ceará com compromisso com a notícia.

Breaking

13/07/2021

CPI DA COVID : Aziz descarta convocar Michelle após mensagem de Dominguetti

 

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que foi citada em mensagem de Dominguetti

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que foi citada em mensagem de Dominguetti

MATEUS BONOMI/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO-26/05/2021

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), descartou convocar a primeira-dama do país, Michelle Bolsonaro, para prestar esclarecimento à comissão. A mulher do presidente Jair Bolsonaro foi citada pelo policial militar Luiz Paulo Dominghetti em mensagens que tratam de uma negociação por doses da vacina da AstraZeneca contra a covid-19.

"Não, não vamos convocar. Tem muita gente que tira proveito para mostrar intimidade com poder. Tem que ter muito cuidado com isso", disse Aziz. "É preciso responsabilidade para se chegar à verdade e não se precipitar em apontar o dedo antes de se ter provas do envolvimento de qualquer pessoa nos crimes que afloram nas investigações", escreveu ele no Twitter.

A revista Crusoé teve acesso ao material e publicou o diálogo citando o nome de Michelle. “Michele (sic) está no circuito agora. Junto ao reverendo (Amilton). Misericórdia”, disse Dominguetti no dia 3 de março a um interlocutor identificado como Rafael. “Quem é? Michele Bolsonaro?”, pergunta Rafael. Ao que o PM de Minas respondeu: "Esposa sim".

Mas as mensagens não deixam claro como ocorreria a participação da primeira-dama nas tratativas com o reverendo.

O reverendo citado no diálogo de Dominghetti é Amilton Gomes de Paula, fundador da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), organização não governamental que negociou, em nome da AstraZeneca, vacinas contra a covid com o governo federal.

A AstraZeneca nega que tenha intermediários e diz que negocia diretamente com o governo brasileiro por meio do laboratório da Fiocruz.

O Rafael que aparece na mensagem é Rafael Alves, representante da Davati Medical Supply. Amilton tem depoimento à CPI agendado para quarta-feira (14), mas apresentou um atestado médico e pediu adiamento.

Em mensagem anterior, Dominguetti menciona cartas que seriam documentos de apresentação da Davati ao Ministério da Saúde com a garantia de fornecimento de 400 milhões de doses de imunizantes fabricados pela farmacêutica AstraZeneca.

“Beleza meu amigo, então entendi. Então, vou passar pro reverendo, para gente dar um pulo amanhã lá, procurar o Roberto, apresentar essas cartas aí, tomar conta da situação e fazer a coisa acontecer. E o Cristiano só vem só para sacramentar”, disse Dominguetti, em suposta referência a Roberto Dias, então diretor de logística do Ministério da Saúde e a Cristiano Carvalho, apontado como procurador da Davati no Brasil.

O nome do reverendo apareceu pela primeira vez na CPI durante o depoimento de Dominghetti, que também se apresentou como representante da Davati e disse ter participado de reuniões agendadas no Ministério da Saúde por intermédio de Amilton. O PM afirmou que se encontrou com o coronel Élcio Franco, então secretário-executivo do ministério, e Lauricio Monteiro Cruz, então diretor de imunização da pasta, por intervenção do reverendo.

O deputado Luís Miranda (DEM-DF) e o irmão dele, o servidor Luis Ricardo, haviam dito à CPI que o então diretor do departamento de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, fazia pressão para que a compra da vacina indiana Covaxin fosse acelerada. O negócio previa uma antecipação de pagamento de US$ 45 milhões para uma offshore. Dias foi demitido depois, acusado por Dominghetti de pedir propina para fechar negócio com vacinas da AstraZeneca.

A um interlocutor identificado como "Rafael Compra Vacinas" – depois identificado como Rafael Silva, da Davati – Dominghetti também citou, no dia 16 de março, o presidente Bolsonaro e o reverendo Amilton ao falar da negociação de vacinas com o governo. “Ontem, o Amilton falou com Bolsonaro, ele falou que vai comprar tudo”, disse o policial em mensagens reveladas depois que ele entregou o celular para perícia técnica.

*Com Agência Estado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.