AMBIENTALISTA JORGE DE MOURA SUGERE AO UNICEF TRABALHAR O MEIO AMBIENTE, VALORIZANDO OS BIOMAS DE CADA REGIÃO NA PRÓXIMA EDIÇÃO DO SELO UNICEF - 2021 - 2024, RUY AGUIAR DO ESCRITÓRIO DO UNICEF DE FORTALEZA, GOSTOU DA IDEIA

 

Os temas trabalhados  pelo SELO UNICEF -  Edição 2017 2020, através dos "Resultados Sistêmicos e Indicadores de Impacto Social", não deixam dúvidas quanto a contribuição do UNICEF objetivando a consolidação das Políticas Públicas voltadas para a CRIANÇA e o ADOLESCENTE e o fortalecimento dos setores da assistência social, cultura, educação, esporte e saúde em benefício da coletividade, cuja contribuição tem como termômetro os impactos sociais de medidas adotadas pelos municípios inscritos no referido Selo. 

Para o ambientalisa JORGE DE MOURA, será necessário, se trabalhar de maneira correlata o setor do MEIO AMBIENTE nos territórios dos municípios envolvidos com o Selo UNICEF e muito me preocupa Ilustre RUY AGUIAR a questão ambiental, especialmente no tocante ao BIOMA CAATINGA, clamando por SOS em decorrência das agressões criminosas que o mesmo vem sofrendo com as QUEIMADAS e DERRUBADAS de Árvores Nativas e de Fruteiras de grande porte, o que trará sérios prejuízos e irá impactar negativamente para as populações futuras, o homem não tem consciência da importância de uma ÁRVORES, caberá a cada um de nós que temos consciência, trabalhar junto às CRIANÇAS e os ADOLESCENTE, que uma Árvore representa a Vida e que será essencial a sua manutenção.

Por que uma árvore representa a VIDA??? Sem ela não haverá fotossíntese, sem fotossíntese não haverá NUVENS,  sem nuvens não haverá CHUVAS, sem chuvas não haverá ÁGUA e sem a água meu Ilustre RUY AGUIAR, será impossível a VIDA no Planeta Terra. Pense nisso!!! Um forte apelo do ambientalista que merece aplausos e apoio.

Ao longo de 40 anos ressalta o ambientalista JORGE DE MOURA, venho trabalhando a "Educação Ambiental Como Fator de Integração", sempre envolvendo crianças e adolescentes que estudam na rede municipal de ensino e posso lhe afirmar com segurança que os resultados foram e são altamente benéficos para as comunidades trabalhadas, que o digam a Região dos Inhamuns, Sertões de Crateús, Municípios de Aiuaba, Assaré,  Barroquinha (Projeto Jovens Protetores dos Mangues com 23 anos de atuação e que realizou uma proeza, a recuperação de grande áreas degradadas de manguezal sem custos financeiros para o Estado ou Município) e por último, no Município de PACUJÁ com a implantando o Projeto Jovens Ambientalistas de Pacujá, impactou diretamente na cultura local em relação ao Meio Ambiente, em apenas 3 anos e 6 meses, a geografia local mudou radicalmente. O nascimentos de 3 Manchas Verdes Urbanas do Bioma Caatinga, com a transformação de áreas degradadas em áreas verdes, teve e tem um ganho social e ambiental de proporções imagináveis, com fabulosos ganhos para o Bioma Caatinga. E foram as crianças e adolescentes que conosco sensibilizaram a população sobre a importância do Selo UNICEF para o Município e hoje, este está tatuado no coração do povo pacujaense.

No Município de Pacujá são 360 crianças e adolescentes envolvidos nesse exitosos projeto que tem como foco a retirada lenta e gradual do NIM INDIANO, planta exótica oriental, que ocasiona danos e nas estruturas físicas de prédios públicos, residenciais, comerciais, calçadas, calçamentos e no asfalto, com prejuízos absurdos para os moradores e a cidade, a cidade não poderá ficar a mercê do desconhecido que tanto nos prejudica e foi o modismo, o responsável por este estado de penúria. O prefeito ALEX MELO priorizou o Setor do Meio Ambiente e apoiou incondicionalmente as ações trabalhadas em seu município, finaliza o ambientalista Jorge de Moura. 
















Postar um comentário

0 Comentários