Arquidiocese de Fortaleza retomará as atividades públicas com a presença de fiéis a partir de 14 de setembro. A boa notícia veio por  meio da carta 008/2020  do arcebispo de Fortaleza, Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques e passa a valer a partir da publicação do decreto que será feita  durante a Missa dos Santos óleos na Catedral Metropolitana. O arcebispo pede que a partir do dia 5 de setembro as orientações para a reabertura das igrejas  possam ser aplicadas nas comunidades. Trata-se do protocolo que prescreve os cuidados que as paróquias devem ter para acolher os fiéis neste tempo.



Missas voltarão a ter fieis em Fortaleza, mas seguirão novas regras



Baixe as orientações,aqui.

O tão esperado retorno deve ser acompanhado de alguns cuidados que estão descritos no  Manual “Orientações da Arquidiocese de Fortaleza para as celebrações comunitárias no contexto da pandemia do Covid-19”. O material foi editado por Padre Rafhael Maciel, sacerdote da Arquidiocese de Fortaleza em missão de estudos em Roma, a partir das orientações emanadas pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O texto final foi revisado pelo arcebispo e aprovado pelo Conselho Episcopal.  

“Procuramos ser o mais didático possível para que a leitura e aplicação das orientações possam ajudar os pastores e fiéis neste tempo de retomada. Detalhamos as recomendações de como os sacerdotes e povo de Deus  devem proceder nas Celebrações Eucarísticas e nos demais sacramentos do Batismo, Crisma, Ordem, Matrimônio, Reconciliação e Unção dos Enfermos”, explica o doutorando em Liturgia. 

Padre Rafhael acompanhou todo o surto da epidemia em Roma e as mudanças de fases no combate à propagação do novo coronavírus. “Na Itália e em toda Europa, as Paróquias e comunidades tiveram que se adaptar às novas circunstâncias, devido aos protocolos de segurança sanitária de cada País. De qualquer modo, para o povo fiel e para os sacerdotes foi um momento de muita alegria e esperança a cada mudança de fase”, destaca o sacerdote que também acompanhou, mesmo à distância, os desdobramentos da epidemia em sua arquidiocese de origem. 

As orientações para a retomada dos sacramentos preveem entre outras coisas a obrigatoriedade do uso de máscara no interior do templo, a multiplicação de missas para melhor participação dos fiéis  nas principais igrejas de cada paróquia e pede que pessoas situadas no grupo de risco participem das celebrações em casa, pelos meios de comunicação. Os idosos e enfermos podem receber a Sagrada Comunhão por meio dos ministros próprios designados para esta função. 

A notícia da reabertura das igrejas trouxe muita felicidade aos fiéis. “Estava sentindo muito falta de   receber Jesus Eucarístico. Sabemos foi necessário esse tempo de jejum, mas  nos alegramos muito em ver nossas Igrejas reabertas e a possibilidade de participar da Santa Missa presencialmente ao lado de nossos irmãos de fé”, conta Maria das Graças que já se prepara para participar de sua primeira Missa depois de cinco meses sem poder participar da celebração presencialmente.  

Bottom Ad [Post Page]

| Designed by Colorlib