SEMA promove webinar para alertar sobre desertificação na Caatinga



A imagem pode conter: 4 pessoas, texto 


A Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), com apoio do Comitê da Reserva da Biosfera da Caatinga (CRBC), realiza nesta quarta-feira (17), às 10h, webinar “Desertificação e Caatinga - Estratégias de Superação”. O titular da SEMA, Artur Bruno, abre o evento virtual **alusivo ao Dia Mundial de Combate a Desertificação**. A mediação será da engenheira agrônoma, Mestre em Meio Ambiente e Desenvolvimento, da Coordenadoria de Desenvolvimento Sustentável (Codes/SEMA), Viviane Monte.
Transmitida pelas redes sociais, Facebook e You Tube, da SEMA, trará os seguintes palestrantes: Margareth Benício, gerente de Estudos e Pesquisas em Meio Ambiente da Funceme, que apresentará as **“Vulnerabilidades e estratégias de redução da degradação da Caatinga cearense”**, e Ricardo Vasconcelos, coordenador do Instituto Antônio Conselheiro, em Quixeramobim (CE), com o tema **“Potencial das tecnologias sociais no combate à desertificação”**.
A Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos das Secas - UNCCD (sigla em Inglês) emprega o termo desertificação para caracterizar realidades de degradação extrema e se aplica à terra, à cobertura vegetal e à biodiversidade e está associada à perda da capacidade produtiva nas regiões áridas, semiáridas e subúmidas secas.
**Dia Mundial de Combate à Desertificação**
O Dia foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) com o objetivo de refletirmos sobre os prejuízos e, principalmente, pensarmos em alternativas para minimizar os efeitos desse fenômeno que vem avançando a cada ano. Segundo a ONU, mais de 10 milhões de km² de terra estão degradadas, incluindo mais da metade de todas as áreas agrícolas do mundo.

Somente no Brasil, de acordo com a Embrapa, do total de 982.563 km2 da área do Semiárido, cerca de 600 mil km2 já foram gravemente atingidos, englobando oito estados da região Nordeste, além do norte de Minas Gerais. Entre os quadros mais graves está o Ceará, onde todos os 184 municípios são afetados pelo fenômeno.

Postagem Anterior Próxima Postagem