Municípios dos Inhamuns apresentam alto índice de incêndios, diz Funceme


Clique para Ampliar

Um dos estudos mais recentes da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) indica que o Ceará possui áreas de 20 municípios com alto risco de incêndios florestais. O projeto foi financiado pelo Fundo de Defesa dos Direitos Difusos do Estado do Ceará (FDID), tendo sido iniciado em 2017 e concluído neste ano.
De acordo com o pesquisador Manuel Rodrigues de Freitas Filho, coordenador do projeto e supervisor do Núcleo de Estudos Básicos da Funceme, o estudo levou em consideração mapeamentos temáticos do estado realizados pela Funceme, tais como: cobertura vegetal natural, uso e ocupação da terra, unidades de paisagem, pluviometria média anual e índice de vegetação.
Os municípios com maiores riscos de incêndios estão na Região dos Inhamuns. Independência e Tauá lideram a lista, que contém ainda, Aiuaba, Parambu, Acopiara, Campos Sales, Boa Viagem, dentre outros. 
Na primeira semana de agosto, pelo menos 3 grandes incêndios ocorreram nos distritos de Inhamuns e Marruás, na zona rural de Tauá, consumindo centenas de hectares de vegetação.
Veja mais
“Com uso de técnicas de geoprocessamento, estes mapeamentos passaram por um processo de integração, resultando no mapa que indica as áreas mais vulneráveis à ocorrência de incêndios florestais”, explica Rodrigues.
As áreas com maiores riscos estão situadas predominantemente nas regiões do médio Jaguaribe, Inhamuns e Centro-Norte do estado. Nestes locais, onde é comum a prática agropecuária, a pluviometria média anual varia entre 700 e 800 milímetros, o que colabora para o índice de vegetação extremamente seco.
“As áreas classificadas com os maiores riscos de ocorrência de incêndios florestais no Ceará  são as que foram registradas os menores índices de chuva e que, ao mesmo tempo, são ocupadas pela vegetação natural de caatinga, a qual tende a ficar em uma condição muito seca no decorrer do segundo semestre”, reforça o pesquisador da Funceme.
O mapeamento das áreas de riscos de incêndios florestais do Ceará é uma importante ferramenta para o orientar o estabelecimento de estratégias de prevenção, monitoramento, controle de queimadas e combate aos incêndios florestais e, principalmente, subsidiar as políticas de autorizações de fogo controlado.
Com a redução comum das chuvas no segundo semestre, as queimadas costumam atingir níveis máximos. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o período entre setembro e outubro registra os picos médios de focos de queimadas. Em 2019, já foram registrados 216 focos no Ceará.
No Brasil, o atual ranking negativo é liderado pelos estados do Mato Grosso e Pará com, respectivamente, 11.490 e 5.693 focos.
Segundo o meteorologista da Funceme Raul Fritz, as condições secas de solo e de vegetação, as baixas umidades relativas do ar, além das temperaturas altas e ventos frequentemente mais intensos no segundo semestre do ano costuma facilitar o aumento do número de queimadas nesta época.
Neste período, é comum que tais focos tomem proporções maiores e evoluam para incêndio. Fritz explica ainda que muitas vezes, os incêndios florestais podem ser causados por agricultores que começam a preparar a terra para o plantio aguardando a chegada das primeiras chuvas da pré-estação, que começa em dezembro.
Crime
De acordo com o Artigo 250 do Código Penal, queimar qualquer coisa em ambiente aberto é considerado crime, além de causar problemas à saúde e uma poluição absurda. O Código Penal nomeia crimes como as queimadas de “crimes contra a incolumidade pública” com possibilidade de reclusão de três a seis anos, além de multa.

Site: Funceme